O sistema está a sofrer melhorias no âmbito da infraestrutura tecnológica. Em caso de lentidão ou bloqueio, por favor, contacte auc-geral@auc.uc.pt. Esperamos ser breves.

Paróquia de São Julião - Figueira da Foz

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Paróquia de São Julião - Figueira da Foz

Detalhes do registo

Nível de descrição

Fundo   Fundo

Código de referência

PT/AUC/PAR/FIG11

Tipo de título

Atribuído

Título

Paróquia de São Julião - Figueira da Foz

Datas de produção

1602  a  1911 

Dimensão e suporte

61 u. i.; papel

Extensões

0 Álbum

Entidade detentora

Arquivo da Universidade de Coimbra

História administrativa/biográfica/familiar

As primeiras referências à povoação remontam ao século XI e mencionam uma pequena povoação cuja igreja tinha por orago São Julião da foz do Mondego. Em 1080, por ordens do Conde D. Sisnando, o Abade Pedro reconstrói a igreja primitiva, então destruída pelos mouros, renovando o povoamento; em 1096, o mesmo Abade faz dela doação à Sé de Coimbra, cujo cabido também a doa, em 1237, aos "Povoadores de São Julião", foro de Tavarede. O pároco era cura anual da apresentação do cabido da Sé de Coimbra.Pela sua localização geográfica, São Julião atingiu o seu auge no século XIV como porto de exportação e importação. Local muito cobiçado por estrangeiros, era constantemente saqueado. O desenvolvimento económico de São Julião da Figueira da Foz provocou a transferência para o local, da Câmara de Tavarede, em 1770. Um ano mais tarde, Figueira era elevada a vila por D. José I.

Localidade

Localidade descritiva

São Julião - Figueira da Foz

História custodial e arquivística

A incorporação da documentação paroquial da diocese de Coimbra no AUC iniciou-se a partir de 1921, oriunda primeiramente do Seminário de Coimbra, e depois recolhida das diversas conservatórias de registo civil do distrito de Coimbra.

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Transferência obrigatória findos os prazos legais (100 anos) todos os cinco anos. Proveniente do Seminário de Coimbra, na 1ª fase, em 1921, e a partir de então, de forma mais ou menos regular, da Conservatória do Registo Civil de Coimbra, de acordo com a legislação aplicável.

Âmbito e conteúdo

Documentação formada por livros que se agrupam em sete séries: mistos (englobam registos de batismos, casamentos e óbitos ou apenas dois tipos dos registos anteriores); batismos; casamentos; óbitos; documentos referentes a casamentos; índices; e reconhecimentos e legitimações.

Sistema de organização

Organização original por séries; ordenação cronológica.

Condições de acesso

O acesso é livre, salvo exemplares em mau estado de conservação.

Idioma e escrita

Português

Instrumentos de pesquisa

Inventário Colectivo dos Registos Paroquiais, vol. I, Centro e Sul; inventário em versão informática Archeevo (base de dados de descrição arquivística) na WEBpage do AUC.

Notas

Existem 6 lv. da Administração do Concelho, que estão integrados neste fundo: Um livro de registos de nascimentos (1880-1900) (B 12 a)Um livro de registos de casamentos civis (1884-1892) (C 6 a);Um livro de registos de casamentos civis (1893-1911) (dupl.) (C 7a);Um livro de registos de óbitos (1883-1911) (dupl.) (O 7 a);Um livro de reconhecimentos e legitimações (1866);Um livro de registo de tutelas e emancipações (1893-1899).

Data de publicação

17/05/2021 19:02:41